Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







sábado, 11 de fevereiro de 2012

Dentista de Rio Verde (GO) é filmado vendendo atestados falsos

O dentista Hikoiti Yokoyama foi preso em Rio Verde, no sudoeste de Goiás, no final da tarde de segunda-feira (9 de janeiro de 2012), suspeito de vender atestados médicos falsificados para funcionários de empresas da região. Antes de prendê-lo, a polícia filmou sua ação. Veja o vídeo aqui.
Só para trabalhadores de uma única empresa ele teria vendido mil atestados falsos. Para não levantar suspeitas, o dentista atendia os falsos clientes em bares e lanchonetes localizados na região de seu consultório.
“O perito criminal comprovou que aquela pessoa que tinha acabado de adquirir o atestado falso não tinha nenhum problema que precisasse de tratamento odontológico. Portanto, ele foi até o odontólogo apenas para ter a posse de um atestado falso e justificar sua ausência no trabalho”, afirma o delegado Danilo Fabiano.
Ação
De acordo com a Polícia Civil, Hikoiti Yokoyama cobrava R$ 10 por cada dia que o funcionário era liberado do trabalho. O delegado Danilo Fabiano acredita que o número de atestados falsos repassados tenha sido bem maior, visto que outras duas empresas da cidade procuraram a polícia com a informação de que também teriam recebido atestados assinados pelo dentista. A polícia vai investigar também os trabalhadores suspeitos de terem comprado os atestados.
Na delegacia, Hikoiti Yokoyama as acusações. “Essas acusações não têm fundamento. Porque eles [pacientes] passam lá, fazem orçamento ou tiram a dor de dente e aí levam o atestado”, se defende o dentista.
O profissional pode ser liberado se pagar fiança de 15 salários mínimos. E ele será indiciado por falsidade ideológica e pode pegar até três anos de prisão. A pena é a mesma para trabalhadores que tiverem comprado os atestados falsos.

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe