Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







quinta-feira, 14 de julho de 2011

Qualidade das restaurações e o insucesso endodôntico

Resumo

Objetivo: Avaliar a qualidade das restaurações dos dentes tratados endodonticamente e sua influência no insucesso endodôntico. Material e Método: 105 pacientes atendidos na unidade de saúde, Gestão plena da cidade de Araruna-PB, no período de 2002 a 2004, foram convidados a retornarem com objetivo de avaliar a qualidade das restaurações de dentes tratados endodonticamente após 3 anos do tratamento concluído, dos quais oitenta e sete (n=102 dentes tratados endodonticamente) se apresentaram para proservação. Utilizou-se de questionário, exame clínico e radiográfico. A ficha clínica foi preenchida com base no prontuário dos pacientes e, posteriormente, um exame clínico e radiográfico dos mesmos foi realizado pelo mesmo profissional devidamente calibrado e que realizou todos os tratamentos endodônticos. O exame físico da cavidade bucal foi realizado com o intuito de perceber as condições no momento do xame, das restaurações dos dentes tratados endodonticamente executados, complementando-se ao exame radiográfico. Os dados coletados por meio dos exames realizados foram tabulados e submetidos aos testes estatísticos Qui-Quadrado e Odds Ratio. Resultados: No período de 3 anos de acompanhamento clínico e radiográfico, a qualidade da restauração não influenciou significativamente (P>0,05) o prognóstico do tratamento endodôntico. Conclusão: Não existiu influência da qualidade das restaurações com os insucessos dos tratamentos endodônticos. Artigo publicado em: Rev Odontol Bras Central 2011;20(52): 74-8.

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe