Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







domingo, 17 de abril de 2011

Equipe de Daruge identifica ossadas de três inconfidentes mineiros


Eduardo Darude, doutor em odontologia, disse que identificação por DNA foi descartada (Foto: Mariana Oliveira/G1).


José de Resende Costa, Domingos Vidal Barbosa e João Dias Mota atuaram ao lado de Tiradentes no século XVIII. Restos serão depositados em Ouro Preto.

A uma semana do feriado que homenageia Tiradentes, mártir da Inconfidência Mineira, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e o Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram) anunciaram a identificação das ossadas de três outros mineiros que atuaram no mesmo movimento. Eles morreram há cerca de 200 anos e foram encontrados nos anos 30, na África. Feito o reconhecimento, os restos mortais serão depositados no Panteão do Museu da Inconfidência Mineira, em Ouro Preto, no Dia de Tiradentes, 21 de abril, em cerimônia que contará com a presença da presidente Dilma Rousseff.


Reconstituição do rosto de José Resende da Costa (direita) mostra semelhanças com seu trineto, que viveu em Minas Gerais há poucos anos


 
Crânio do inconfidente José Resende da Costa, morto aos 70 anos, no século XVIII



Os corpos de José de Resende Costa, Domingos Vidal Barbosa e João Dias Mota estavam enterrados desde o século XVIII em Cacheu, na Guiné-Bissau. Em 1932, o governo do Brasil resolveu reunir os corpos de todos os inconfidentes espalhados pelo continente africano. Graças a lápides nomeadas e registros concretos, 16 deles foram facilmente identificados e sepultados no panteão do museu mineiro.

Como os ossos dos outros três inconfidentes estavam muito fragmentados, não foi possível identificá-los à época. Somente nos anos 80 o diretor do museu mineiro, Rui Mourão, soube da história e, em 1993, conseguiu transferir as ossadas, que estavam no arquivo do Itamaraty, para a Unicamp. O professor Eduardo Daruge, doutor em odontologia legal, foi incumbido de analisar os restos mortais dos três homens.

Sem auxílio financeiro, a equipe de Daruge acabou levando sete anos para chegar à identidade dos inconfidentes e à idade com que morreram: José de Resende Costa tinha por volta de 70 anos, Domingos Vidal Barbosa, 32, e João Dias Mota, 50 anos. A conclusão foi tirada após pesquisas sobre a vida deles e análise da densidade dos ossos. De acordo com o professor, parte dos custos com a pesquisa foi tirada de seu próprio bolso.

Os inconfidentes - José de Resende Costa era capitão do Regimento de Cavalaria Auxiliar da Vila de S. João. Foi preso em 1789 e degredado para a África, junto com o filho, que conseguiu voltar para o Brasil anos mais tarde. Seu crânio era o único em condições de ser recomposto e seu rosto foi reconstituído. Para isso, os pesquisadores enviaram imagens de uma tomografia computadorizada à Universidade de Londres. Na face redesenhada, Resende da Costa aparenta ter 45 anos. Os traços assemelham-se ao de um trineto do inconfidente que vivia na cidade que leva o nome de Resende da Costa, em Minas Gerais.

João Dias da Mota também foi capitão do Regimento da Cavalaria Auxiliar da Vila de S. João e era amigo de Tiradentes. Morreu em 1793, de uma epidemia que assolou a região de Cacheu, aonde havia chegado nove meses antes. Domingos Vidal de Barbosa fazia parte da elite mineira, estudou Medicina na França e pediu apoio à Inconfidência pessoalmente ao ex-presidente americano Thomas Jefferson, quando ainda era embaixador.

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe