Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







quinta-feira, 28 de abril de 2011

Revista Brasileira de Criminalística

"A Associação Brasileira de Criminalística - ABC foi procurada, na pessoa de seu presidente, por um grupo de Peritos Criminais, os quais tiveram uma idéia para divulgar o trabalho pericial e porque não dizer acadêmico da categoria: uma revista científica.

Embora não seja uma idéia inédita, a ABC lançou dois números de sua Revista Brasileira de Criminalística em 1979, esse grupo teve o mérito de criá-la em formato eletrônico e implantou um sistema para trabalho "em nuvem", de forma que todos com acesso à internet pudessem acessar e trabalhar.

Assim a ABC, seguindo uma das finalidades para qual foi criada, passou a apoiar e estimular esta brilhante idéia, fomentada por um grupo de aguerridos colegas, que tiveram a coragem e desprendimento de se lançar em busca de seu objetivo. Desta forma nasceu a Revista Brasileira de Criminalística - RBC, em formato eletrônico.

Hoje é o marco inicial dessa conquista, que servirá aos interesses científicos da categoria e conterá, ao longo do tempo de atuação, um repositório de artigos destinados a dar suporte à nossa atuação profissional.

O Nascimento de uma revista científica é sempre algo a ser comemorado com admiração, principalmente por ser mais uma contribuição à quebra da solidão dos que se dedicam ao trabalho intelectual, à acumulação de conhecimento e à difusão do que foram capazes de acumular. Uma revista desta natureza é, antes de tudo, um convite à exposição de resultados de estudos e pesquisas, para debate público, naquilo que é a finalidade maior da Criminalística: a ciência aplicada na busca da verdade.

Ela nasce como fruto coletivo de uma comunidade pericial que sempre se quis ouvir e ter voz no mundo da ciência.

Com publicação trimestral, a RBC é orientada por um Corpo Editorial, o qual pretendemos que seja renovado a cada período de dois anos, na mesma época da diretoria da ABC, por livre escolha dos peritos criminais. No que diz respeito ao conteúdo, um corpo de especialistas apreciará e selecionará os trabalhos que forem submetidos, de maneira independente e anônima. E todo o processo editorial será controlado e transparente, de modo a que seja reconhecida como uma revista científica de excelência.

A primeira edição será lançada no Congresso de Gramado! Não perca a oportunidade de participar, demonstre seu trabalho e incentive seus colegas a fazerem o mesmo.

Maiores informações no site http://www.rbc.org.br/. "

IREMAR PAULINO DA SILVA

Presidente da ABC

domingo, 24 de abril de 2011

Human identification based on cranial computed tomography scan — a case report

Abstract.
Today, there is increasing use of CT scanning on a clinical basis, aiding in the diagnosis of diseases or injuries. This exam also provides important information that allows identification of individuals. This paper reports the use of a CT scan on the skull, taken when the victim was alive, for the positive identification of a victim of a traffic accident in which the fingerprint analysis was impossible. The authors emphasize that the CT scan is a tool primarily used in clinical diagnosis and may contribute significantly to forensic purpose, allowing the exploration of virtual corpses before the classic autopsy. The use of CT scans might increase the quantity and quality of information involved in the death of the person examined. Article published in: Dentomaxillofacial Radiology (2011) 40, 257-261.
Full text.
Author: rhonanfs@terra.com.br.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Análise do comportamento do amálgama de prata sob a ação de calor e sua importância no processo de identificação humana

Resumo

Objetivo: Verificar macroscopicamente as alterações sofridas por restaurações de amálgama em cápsulas e convencional, quando submetidos a temperaturas elevadas e destacar a importância dessas alterações nos processos de identificação humana. Métodos: Foram analisados 48 dentes humanos, oriundos do cemitério São Gonçalo da Prefeitura Municipal de Cuiabá, Mato Grosso, que passaram por tratamento restaurador com amálgama dental e submetidos à elevadas temperaturas que variaram de 100oC a 1200oC para avaliação das alterações sofridas por esse material. Resultados: As restaurações em amálgama convencional sofrem escurecimento a partir dos 300oC, apresentando-se pulverulentas a partir dos 300oC e entrando em processo de calcinação a partir dos 800oC. Já a restauração com amálgama em cápsula sofreu escurecimento a partir dos 400oC, tornando-se novamente prateada a 1200oC, apresentando-se pulverulenta a partir dos 500oC e calcinada a 1200oC. Conclusão: As restaurações de amálgama apresentaram alterações em sua coloração (escurecimento) e em sua estrutura (pulverização e calcinação), que poderão servir de comparação com registros odontológicos de eventuais vítimas de desastres, nos trabalhos de identificação humana, onde os corpos tiverem sofrido a ação do fogo. Artigo publicado em:
Rev Gaúcha Odontol., Porto Alegre, v.59, n.1, p.41-44, jan./mar., 2011.

domingo, 17 de abril de 2011

Equipe de Daruge identifica ossadas de três inconfidentes mineiros


Eduardo Darude, doutor em odontologia, disse que identificação por DNA foi descartada (Foto: Mariana Oliveira/G1).


José de Resende Costa, Domingos Vidal Barbosa e João Dias Mota atuaram ao lado de Tiradentes no século XVIII. Restos serão depositados em Ouro Preto.

A uma semana do feriado que homenageia Tiradentes, mártir da Inconfidência Mineira, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e o Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram) anunciaram a identificação das ossadas de três outros mineiros que atuaram no mesmo movimento. Eles morreram há cerca de 200 anos e foram encontrados nos anos 30, na África. Feito o reconhecimento, os restos mortais serão depositados no Panteão do Museu da Inconfidência Mineira, em Ouro Preto, no Dia de Tiradentes, 21 de abril, em cerimônia que contará com a presença da presidente Dilma Rousseff.


Reconstituição do rosto de José Resende da Costa (direita) mostra semelhanças com seu trineto, que viveu em Minas Gerais há poucos anos


 
Crânio do inconfidente José Resende da Costa, morto aos 70 anos, no século XVIII



Os corpos de José de Resende Costa, Domingos Vidal Barbosa e João Dias Mota estavam enterrados desde o século XVIII em Cacheu, na Guiné-Bissau. Em 1932, o governo do Brasil resolveu reunir os corpos de todos os inconfidentes espalhados pelo continente africano. Graças a lápides nomeadas e registros concretos, 16 deles foram facilmente identificados e sepultados no panteão do museu mineiro.

Como os ossos dos outros três inconfidentes estavam muito fragmentados, não foi possível identificá-los à época. Somente nos anos 80 o diretor do museu mineiro, Rui Mourão, soube da história e, em 1993, conseguiu transferir as ossadas, que estavam no arquivo do Itamaraty, para a Unicamp. O professor Eduardo Daruge, doutor em odontologia legal, foi incumbido de analisar os restos mortais dos três homens.

Sem auxílio financeiro, a equipe de Daruge acabou levando sete anos para chegar à identidade dos inconfidentes e à idade com que morreram: José de Resende Costa tinha por volta de 70 anos, Domingos Vidal Barbosa, 32, e João Dias Mota, 50 anos. A conclusão foi tirada após pesquisas sobre a vida deles e análise da densidade dos ossos. De acordo com o professor, parte dos custos com a pesquisa foi tirada de seu próprio bolso.

Os inconfidentes - José de Resende Costa era capitão do Regimento de Cavalaria Auxiliar da Vila de S. João. Foi preso em 1789 e degredado para a África, junto com o filho, que conseguiu voltar para o Brasil anos mais tarde. Seu crânio era o único em condições de ser recomposto e seu rosto foi reconstituído. Para isso, os pesquisadores enviaram imagens de uma tomografia computadorizada à Universidade de Londres. Na face redesenhada, Resende da Costa aparenta ter 45 anos. Os traços assemelham-se ao de um trineto do inconfidente que vivia na cidade que leva o nome de Resende da Costa, em Minas Gerais.

João Dias da Mota também foi capitão do Regimento da Cavalaria Auxiliar da Vila de S. João e era amigo de Tiradentes. Morreu em 1793, de uma epidemia que assolou a região de Cacheu, aonde havia chegado nove meses antes. Domingos Vidal de Barbosa fazia parte da elite mineira, estudou Medicina na França e pediu apoio à Inconfidência pessoalmente ao ex-presidente americano Thomas Jefferson, quando ainda era embaixador.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Livro: Deontologia odontológica - ética e legislação

O livro Deontologia Odontológica: Ética e Legislação é direcionado a estudantes da graduação e pós-graduação os quais necessitam ser estimulados ao exercício ético da Odontologia.

É dirigido também aos profissionais atuantes para que se adaptem a essa nova realidade da prática profissional cujo teor é que não é necessário reduzir a atuação profissional em razão do medo de sofrer processos, pelo contrário, esse temor surge da falta de conhecimento - ou da insipiência - das leis e suas influências no cotidiano da atuação profissional. Nesse sentido, é evidenciado que não é necessário ter conhecimento profundo da ciência do direito, mas, a partir do momento em que o cirurgião-dentista tem noção de sua importância e de como se dá a aplicação das normas, lhe é permitido desenvolver um raciocínio lógico fundamentado na legislação, na doutrina e na jurisprudência. Sem dúvida, esses são parâmetros para que qualquer cirurgião-dentista possa exercer a profissão de forma mais tranquila, sem medos e com um desenvolvimento ético essencial.

Sumário.

Cap. 1 - Introdução à Deontologia Odontológica

Cap. 2 - Noções de Legislação de Interesse do Cirurgião-dentista

Cap. 3 - Uma Breve História sobre Odontologia no Brasil

Cap. 4 - Exercício Lícito da Odontologia no Brasil

Cap. 5 - Exercício Ilícito da Odontologia

Cap. 6 - Responsabilidade Profissional do Cirurgião-dentista

Cap. 7 - O Cirurgião-dentista diante dos Processos Éticos

Cap. 8 - Atuação de Cirurgiões-dentistas junto aos Juizados Especiais Cíveis

Cap. 9 - Segredo Profissional

Cap. 10 - Aspectos Éticos e Legais do Atendimento a Pacientes HIV-positivos

Cap. 11 - Mercado de Trabalho para o Cirurgião-dentista

Cap. 12 - Honorários Profissionais do Cirurgião-dentista

Cap. 13 - Vistorias em Convênios e Credenciamentos

Cap. 14 - Documentos Odontolegais

Cap. 15 - Aspectos Legais na Classificação das Lesões Corporais

Cap. 16 - Violência Doméstica e Odontologia

Cap. 17 - Documentação Odontológica

Cap. 18 - A Comunicação em Odontologia

Cap. 19 - Exercício das Profissões Auxiliares em Odontologia

Cap. 20 - O Exercício das Especialidades Odontológicas e Práticas Integrativas e Complementares à Saúde Bucal

Cap. 21 - Competências dos Órgãos de Classe

Cap. 22 - A Ética na Relação Professor¿Aluno

Cap. 23 - Noções de Direito do Trabalho de Interesse do Cirurgião-dentista

Cap. 24 - O Direito do Cirurgião-dentista à Aposentadoria

Cap. 25 - Odontologia Defensiva

LegislaçãoLei no 5.081

Código de Ética Odontológica

Lei no 12.291

Lei no 8.078

domingo, 10 de abril de 2011

Esqueletos de manicômio do século 16 são descobertos em Londres


Foto: BBC.

Considerada a mais antiga instituição psiquiátrica do mundo, o hospital foi fundado em 1247. A instituição mudou-se da Liverpool Street séculos atrás, e hoje está na região de Bromley, próxima de Londres.

A descoberta dos esqueletos ocorreu quando arqueólogos examinavam o terreno antes de dar início a escavações do metrô. "Sabemos por meio de pesquisa que este é o cemitério do St. Bethlehem da época pós medieval", disse Jay Carver, um dos arqueólogos.

"Temos três escavações ocorrendo lá atualmente para estabelecer quem está enterrado, e que providencias devem ser tomadas para garantir que os restos humanos sejam recuperados da maneira correta, estudados e enterrados novamente", disse ele.

"Esperamos que a análise dos esqueletos nos diga algo interessante sobre as pessoas enterradas aqui, como por exemplo, quais as causas de suas mortes", completou.

Calcula-se que ossos de milhares de pessoas possam estar enterrados no local.
Notícia presente no portal G1.
Notícia encaminhada por Annelise Castro.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Nível de Conhecimento dos Cirurgiões-Dentistas Sobre a Qualidade dos Prontuários Odontológicos Para Fins de Identificação Humana

RESUMO
Objetivo: O objetivo desta pesquisa foi determinar por meio de questionário a 400 cirurgiões-dentistas cadastrados no Conselho Regional de Odontologia de Cuiabá-MT, o nível de conhecimento dos mesmos sobre a importância do prontuário nos processos de identificação humana. Resultados: Observou-se que 48,36% dos respondentes dispensam entre 10 e 20 minutos. Apenas 13,1% dos cirurgiões-dentistas pesquisados não têm o hábito de anotar as condições bucais antes de iniciar o tratamento e 42,62% fazem somente um odontograma. Dos 122 participantes, 11,11% informaram que a documentação não teve utilidade para estabelecer a identidade. Agravando o quadro, 33,6% dos respondentes afirmaram que não mantém os prontuários de pacientes atualizados. Conclusão: Concluiu-se que o cirurgião-dentista de Cuiabá-MT apresenta conhecimento satisfatório sobre elaboração, manutenção e importância do prontuário odontológico antes da morte no processo de identificação para o estabelecimento da identidade do paciente. Porém, nem sempre o preenche adequadamente, reduzindo assim o seu valor clínico, administrativo e legal. Artigo publicado em: Rev Odontol Bras Central 2010;19(51):340-6.

domingo, 3 de abril de 2011

Atitudes dos Cirurgiões-Dentistas em Relação à Proteção Radiológica, de Acordo com a Lei Brasileira

RESUMO

Objetivo: Realizar uma pesquisa em consultórios odontológicos na cidade de São José do Rio Preto – SP sobre conhecimento e atitudes dos profissionais sobre proteção radiológica e comparar os dados com as recomendações da Portaria 453 do Ministério da Saúde. Material e Método: Cento e cinqüenta consultórios odontológicos foram visitados e foi aplicado um questionário. Resultados: Observou-se que 26% dos entrevistados não conheciam a lei, 23% não avaliavam radiografias existentes do paciente, 21% não usavam vestimenta plumbífera nos pacientes, 49% não usavam posicionadores de filmes, 58% ainda utilizavam processamento visual; 93% utilizavam filme E ou F, entretanto a média de tempo de exposição foi 0.5 segundo, 14% dos equipamentos possuíam cone localizador e 83% seletor de tempo manual, 17% dos dentistas não se protegiam durante a exposição do paciente e 64% ainda utilizavam disparador com retardo. Conclusão: Há falta de conhecimento sobre proteção radiológica; um programa educacional em Radiologia pode produzir mudanças nas atitudes dos profissionais em relação ao uso da radiação ionizante. Artigo Pulicado em: Rev Odontol Bras Central 2010;19(51): 301-5.

Compartilhe