Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







domingo, 14 de novembro de 2010

Isolamento de células epiteliais no acrílico das próteses removíveis e determinação do gênero pela amplificação do gene SRY usando PCR em tempo real

George R, Sriram G, Saraswathi TR, Sivapathasundharam B. Isolation of epithelial cells from acrylic removable dentures and gender identification by amplification of SRY gene using real time PCR. J Forensic Dent Sci 2010;2:32-6


Este estudo avalia a utilidade de próteses de acrílico como fonte de DNA para análise forense. Trinta e oito amostras (21 de homens e 17 de mulheres) foram coletados e armazenados por diferentes períodos de tempo. As células epiteliais aderidas às próteses foram recuperados e o DNA genômico foi extraído. Todas as amostras renderam uma quantidade suficiente de DNA para análise, independentemente do tempo de armazenamento. A determinação do sexo foi realizada por amplificação da região determinante do sexo no cromossomo Y (SRY) em tempo real usando reação em cadeia da polimerase, com 100% de precisão, no tempo mínimo.
Com este estudo, concluímos que os restos de saliva nas próteses acrílicas podem atuar como uma fonte de DNA forense e de co-amplificação do gene SRY sexo com outra rotina de digitação marcadores dará inequívoca determinação do gênero.

Essa variação no sexo fenotípica e genotípica não se limita apenas à presença do gene SRY. O gene mais comumente utilizados para determinação do sexo é gene amelogenina (AMEL). Ajay et al. relataram o uso de genes AMELOGENINA na determinação do sexo do DNA extraído da polpa dental. Similar ao gene SRY, a confiabilidade da determinação do sexo utilizando fragmentos de genes AMEL-específica tem sido questionada. Santos et al. , Thangaraj et al. , Steinlechner et al. , Chang et al. e Kao et al. encontraram uma deleção do gene amelogenina no cromossomo Y , o que levou ao desaparecimento do fragmento geralmente mais Y-específicas e, portanto, para a detecção de apenas o sinal de menor X-específicas, gerando um genótipo, aparentemente do sexo feminino. Kashyap et al. relatou taxa de falha de 0,23% em relação ao sexo amelogenina baseado digitação entre a população indígena. De acordo com as suas descobertas, eles recomendaram que um locus Y-específicas devem rotineiramente ser incluída juntamente com um marcador de X-específica nos testes forenses do sexo para evitar declarações falsas sobre a determinação de gênero.

No presente estudo, nós fomos capazes de extrair com sucesso o DNA de células epiteliais esfoliadas retidos no próteses dentárias em resina acrílica, utilizadas pelos participantes, independentemente do tempo de armazenamento e tipo do gênero em tempo real usando amplificação baseada em homens gene SRY específico marcador com 100% de precisão. Nenhuma das amostras do sexo feminino mostrou amplificação para o gene SRY, e não havia nenhuma evidência de quimerismo que poderia levar a falsa identificação com o gênero. No entanto, as conclusões do estudo são limitados aos indivíduos normais. A precisão e especificidade do SRY na identificação de gênero deve ser confirmado através do alargamento do estudo em várias condições sindrômicas que podem alterar a expressão do gene SRY.

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe