Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







domingo, 31 de outubro de 2010

QUEM IDENTIFICOU MENGELE FOI O CÔNSUL DACHI


*
Joseph Menguele
* imagem obtida na internet.

É injusto atribuir ao senador Romeu Tuma um papel decisivo na descoberta do paradeiro do criminoso nazista Josef Mengele, o médico de Auschwitz. Enquanto viveu foragido, Mengele sempre manteve comunicação com a família e, em 1985, a polícia alemã identificou, com nome, sobrenome e endereço, um casal que o acoitara em São Paulo.

Eles revelaram a Tuma que Mengele vivera em São Paulo como "dr. Gerhard", morrera afogado na praia de Bertioga em 1979 e fora sepultado no cemitério do Embu. Tuma exumou o corpo, mas a descoberta foi recebida com ceticismo pelos principais caçadores de nazistas. O mais famoso deles, Simon Wiesenthal, ironizou: "Essa é a sétima morte de Mengele".

Quem desfez o enigma foi Stephen Dachi, cônsul americano em São Paulo. Dentista, fluente em português, espanhol e alemão, Dachi estudou o diário mantido pelo "dr. Gerhard" e encontrou uma entrada na qual ele informava que, em 1978, fizera um tratamento de canal com um certo dr. Gama, em "Sam". Dachi percebera que o doutor gostava de abreviaturas e concluiu que "Sam" significava "Santo Amaro". Achou o dentista e as radiografias do paciente. Elas conferiam com a ficha dentária de Mengele feita na Alemanha em 1939.

Em 1992, um exame de DNA bateu o martelo. Do episódio ficou a suspeita de que a família de Mengele, que o sustentou durante 34 anos, vivendo no Paraguai e, mais tarde, modestamente, no Brasil, quis encerrar o mistério em torno do paradeiro do "Anjo da Morte".

*Notícia publicada na gazeta online em 30/10/2010. 
**Notícia enviada por Marcelo Machado.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Brasil Forense - Genética


Hoje, segundo a programação do Brasil Forense 2010, estarei participando da mesa de genética:

10:30 às 12:00h MESA REDONDA: BIOLOGIA LEGAL-DNA FORENSE E SEU USO NA ODONTOLOGIA LEGAL
Dr. Rogério Nogueira de Oliveira - SP
Dr. Wendel Minoro Muniz Shibasaki - BA Auditório das Flores - PISO DA TERRA

Se você não está participando do evento, pode estar lendo este post enquanto falo no auditório das flores. Mas se participou, é bem provável que está aqui por ter atendido ao meu convite ou está buscando mais material para estudar.

Neste post faço referência a um artigo bem conhecido dos internautas:
DNA Forense - Artigo de Revisão
Luciana Dolinsk

Neste artigo a autora fala com muita clareza e ainda bem atualizado, sobre as aplicacões da genética na criminologia.
Entendo ser uma excelente primeira leitura do assunto.

O link parece estar ruim nesta madrugada, mas pode ser resgatado no Google Docs. Vou disponibilizar os dois abaixo:




Não esqueçam de nos seguir no twitter para receber as atualizações do blog.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

25 de outubro - Dia do Dentista

Comemora-se o Dia do Dentista em 25 de outubro porque nesta data, em 1884, foi assinado o decreto 9.311 que criou os primeiro cursos de graduação de odontologia do Brasil, no Rio de Janeiro e na Bahia.

Uma portaria do Conselho Federal de Odontologia tornou a data oficial para a comemoração do Dia do Dentista Brasileiro.

*
Mesmo diante das dificuldades...

*
E com muito humor....

*
Estamos sempre prontos para proporcionar o melhor sorriso!!

* imagens obtidas na internet.


Parabéns a todos os Cirurgiões-Dentistas pelo nosso dia!!
São os votos do Odontologia Forense.

domingo, 24 de outubro de 2010

Implicações bioéticas na relação profissional de saúde e usuários: estudo junto aos acadêmicos dos cursos de saúde na Unimontes

RESUMO
A disciplina de Bioética ministrada pela Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes nos cursos de Odontologia, Medicina e Educação-Física proporciona espaço crítico para a formação de profissionais comprometidos com uma postura ética e humanística. Este estudo objetivou conhecer as percepções dos graduandos dos referidos cursos da Unimontes, em relação aos conflitos bioéticos envolvidos na relação profissionais de saúde e usuários dos serviços de saúde. Participaram do estudo 60 acadêmicos dos três cursos. Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva e ao teste qui-quadrado, considerando-se o nível de significância p<0,05. Aplicou-se questionário pré-testado no primeiro dia de aula da disciplina Bioética. Mais de 90% dos discentes acreditam que as decisões do tratamento não são de responsabilidade exclusiva do profissional e que não se deve ocultar diagnóstico do paciente; mais da metade não é favorável à emissão de atestado de saúde falso e não respeitariam a vontade dos seguidores da religião “Testemunha de Jeová” em recusar hemotransfusão, não havendo diferenças estatisticamente significativas entre cursos e gêneros. Além da importância pedagógica do questionário aplicado para o ensino de Bioética, o estudo possibilitou conhecer os posicionamentos éticos e morais dos discentes acerca de confl itos na relação profissional/suário. Os discentes, independente do gênero e curso, têm percepções semelhantes em relação aos conflitos bioéticos. Artigo publicado em: Odontol. Clín.-Cient., Recife, 9 (3) 263-267, jul./set., 2010.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Condição de envio dos modelos de trabalho e comunicação entre Cirurgiões-Dentistas e Técnicos em Prótese Dentária do município de Aracaju-Sergipe na confecção de prótese fixa metalocerâmica


Resumo
O presente trabalho objetivou avaliar a condição de envio dos modelos de trabalho e a comunicação entre Cirurgiões-Dentistas e Técnicos em Prótese Dentária na confecção de prótese fixa metalocerâmica no município de Aracaju/SE. Para tal, foi realizada uma pesquisa de campo por meio de um questionário com os Técnicos em Prótese Dentária cadastrados no Conselho Regional de Odontologia - Secção Sergipe, atuantes no município de Aracaju. Responderam a este 12 técnicos que realizam prótese metalocerâmica rotineiramente, em seus laboratórios. Com base nos dados coletados, 75% dos entrevistados afi rmaram receber os trabalhos protéticos já em modelos, sendo 100% desses modelos vazados com gesso tipo especial. Metade dos entrevistados respondeu receber menos de 50% dos modelos articulados, e 84% responderam receber menos de 10% dos trabalhos com os dentes pilares troquelizados. Entretanto, em relação à comunicação escrita entre o Cirurgião-Dentista e o Técnico em Prótese Dentária, observou-se que a maioria das prescrições enviadas ao laboratório não obtinham informações necessárias para a realização da prótese, necessitando frequentemente o Técnico de contatar com o Cirurgião-Dentista. Observou-se que as condições dos modelos de trabalho e a comunicação entre Cirurgiões-Dentistas e o Técnico em Prótese Dentária ainda se encontram deficientes. Artigo publicado em: Odontol. Clín.-Cient., Recife, 9(3): 257-262, jul./set., 2010.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Determinação da estatura por meio da medida de ossos longos dos membros inferiores e dos ossos da pelve


Resumo
Objetivo: considerando-se que a miscigenação racial brasileira é completamente sui generis, foi proposto um estudo sobre estatura, na busca de um padrão nacional para ossos longos dos membros inferiores e ossos da pelve. Metodologia: foi analisada uma amostra constituída por 100 ossadas de adultos, sendo 50 masculinas e 50 femininas, com estaturas conhecidas previamente, localizadas no Cemitério de Cuiabá/MT. Foram medidos os ossos fêmur, tíbia, fíbula e os ossos da pelve. As amostras foram submetidas à análise estatística por meio de cálculos de correlação linear, regressão linear e teste t de Pearson. Resultados: foi obtido um novo padrão para avaliar a participação da pelve - osso ilíaco - na composição da estatura verificando que existe uma medida, até agora desconhecida na literatura nacional e internacional. Foi estabelecida uma fórmula trigonométrica para calcular o grau de participação do osso ilíaco na estimativa da estatura. Conclusão: obtiveram-se, outrossim, fórmulas de regressão para padrões nacionais em relação ao fêmur, a tíbia e a fíbula que desde adequadamente aplicadas auxiliarão na estimativa da estatura. Artigo publicado em: Odonto 2010;18(36):113-125.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Revista Española de Medicina Legal

Founded in 1974, it is the official Journal of the National Association of Forensic Pathologists (Asociación Nacional de Médicos Forenses). The Journal publishes scientific articles on different topics in the field of legal and forensic medicine, that are seen as a teaching tool in the speciality, which gives the reader an update on the different topics in the field of legal and forensic medicine, as well as giving continuing education in practical aspects of routine practice of the forensic pathologist in the field of Legal Administration. The Journal is made up of different sections, including Original Articles, Reviews, Medical-Forensic Cases, Practical Forensic Medicine and Legal Medicine in Images. The Journal attempts to integrate all professionals interested in the subject, among others, to provide a multidisciplinary journal in the field of legal medicine.

The last issue of Revista Española de Medicina Legal can be visited at our free access web site: http://mailer.elsevier.es/marketer/link.php?M=3215532&N=1441&L=26369&F=H.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Journal of Forensic Dental Sciences


Journal of Forensic Dental Sciences (JFDS) is the official publication of the Indian Association of Forensic Odontology that is published Semiannually. JFDS publishes scientific papers on well designed and controlled original research involving forensic science. Papers may also include reports on unusual and interesting case presentations.

JFDS publishes scientific papers on well designed and controlled original research involving forensic science, reports on unusual and interesting case presentations.


Editor-in-Chief:

Dr. B. Sivapathasundharam

Archives.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Palatal rugoscopy: establishing identity


Rugoscopia palatina: estabelecendo a identidade.

Abstract
Palatal rugae are irregular, asymmetric ridges of the mucous membrane extending laterally from the incisive papilla and the anterior parte of the palatal raphe. The uniqueness and the overall stability of palatal rugae suggest their use for forensic identification. Objective: the pourpose of this study was to compare the palatal rugae patterns in 2 diferent populations in India (Madhya Pradesh and Kerala), and furthermore, to assess the predominant pattern if any in the selected groups. Materials and Methods: 60 maxillary stude models (30 from each group) were examined in the age group ranging from 17 to 23 years. Palatal rugae pattern were examined in both the sexes on right and left sides of the palate for the total number (quantitative), length, shape, and predominan direction (qualitative). Results: after analyzing the rugae patterns in both the groups and between th 2 sides of the palate, the wavy pattern was found to be a predominant followed by curved, straight, unification, circular, and nonspecific in decreasing order in the overall population. Conclusion: straight rugae pattern on the right side of the palate in the male subjects was found to be significantly predominant in the MP population, whereas wavy shape was predominan in Keralites; however, rugae patterns on the right side of the palate in female subjects exhibited no significant difference.
Article published in: Journal of Forensic Dental Sciences, Jan-Jun 2010, 2(1): 27-31.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A importância da correta elaboração do prontuário odontológico

Resumo
Introdução: o prontuário odontológico é o conjunto de toda documentação obtida durante o tratamento odontológico. Manter esses registros completos e atualizados demonstra eficiência técnica-administrativa do profissional, além de servir como objeto de proteção civil e de instrumento de consulta em casos de identificação humana. Objetivo: revisar a literatura, destacando a importância da elaboração, preenchimento e arquivamento do prontuário odontológico sob os aspectos jurídicos, éticos e administrativos. Conclusões: o prontuário odontológico é de extremo valor ao cirurgião-dentista, sendo que esta documentação deve ser confeccionada de forma correta e detalhada, possuindo assim um registro escrito de informações do paciente sempre com a assinatura do mesmo, concordando com tudo que foi relatado e realizado. Artigo publicado em: Odonto 2010;18(36):41-50.

Discussão
O conhecimento dos pacientes em relação aos seus direitos está crescendo exponencialmente tornando a antiga relação entre este e o cirurgião-dentista - antes considerada de confiança, em uma relação estritamente contratual10. Seguindo as demais profissões, esta acabou por começar a apresentar conotações de ordem legais bem definidas19. O Código de Defesa do Consumidor veio como um dos fatores que passaram a fazer parte do cotidiano dos consultórios, tornando as relações profissionais como de consumo, obrigando os profissionais ao cumprimento de informar aos pacientes sobre as diversas opções de tratamento.

Estudos apontam um desconhecimento dos profissionais quanto às normas do CDC18. Com este código, a documentação odontológica ganhou importância e passou de um simples arquivo para um meio de prova nos casos judiciais9,22,29 que passou a ser uma defesa do profissional frente a um processo judicial.

O prontuário, normalmente, é composto de radiografias, ficha de anamnese, modelos em gesso e plano de tratamento. Esta documentação, segundo alguns autores, é pertencente ao paciente que seria o titular do prontuário enquanto os direitos autorais cabem ao profissional que o elaborou29-30. No entanto, o Código de Ética Odontológica é bem claro em elencar nos deveres profissionais “garantir ao paciente ou seu responsável legal acesso ao seu prontuário, sempre que for expressamente solicitado, podendo conceder cópia do documento, mediante recibo de entrega”31, o que nos permite inferir sobre a permissão de consulta ao prontuário, mas não a retirada do mesmo do ambiente odontológico.


O prontuário odontológico deve ser confeccionado de forma adequada e criteriosa por todo e qualquer profissional podendo ser modificado ou adaptado à sua maneira seguindo as bases legais. Suas informações sobre o paciente devem ser completas e precisas1,9,22,29,32, apresentando as condições bucais presentes, planos de tratamento aprovado pelo paciente3, descrição de procedimentos realizados, receitas13, radiografias, modelos e atestados33, encaminhamentos, recibos de pagamentos, orientações pósoperatórias e quaisquer outros documentos que sejam gerados durante a relação profissional-paciente34. É no cuidadoso preenchimento deste prontuário em que o CD encontra o fator preventivo mais importante para evitar processos judiciais21,29, pois estes registros esclarecerão a atuação profissional e definirão se os procedimentos e condutas corretas foram executados com propriedade23 e dentro da normalidade da profissão, não agindo com imperícia, negligência nem imprudência.

...

Conclusão
Verifica-se que o prontuário odontológico não deve ser tratado como um simples preenchimento de ficha clínica e sim, como uma documentação de extrema importância ao cirurgião-dentista, e, esta documentação deve ser confeccionada de forma correta, detalhada, possuindo assim um registro escrito de informações do paciente, sempre com a assinatura do mesmo concordando com tudo que foi relatado e realizado. E a confecção do prontuário odontológico tem que ser parte do dia-a-dia do profissional, pois trará mais conforto e segurança tanto para o paciente quanto para o cirurgião-dentista.
  

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Imbra pede falência com dívidas de R$ 221,7 milhões, diz Tribunal

Pedido foi protocolado pela rede de serviços odontológicos na quarta (6). Procon diz que consumidor deve ser atendido normalmente.

Fonte: G1.

A empresa de tratamentos odontológicos Imbra entrou nesta quarta-feira (6) com pedido de autofalência na 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais - Foro Central Cível, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

O pedido de falência é um artifício utilizado por empresas que não conseguem pagar seus débitos e desejam ser declaradas insolventes pela Justiça, ou seja, incapazes de quitar suas dívidas.

De acordo com o processo protocolado no tribunal com o número 100.10.037076-3, a solicitação foi feita para cobrir um total de R$ 221.761.356,28 em dívidas. O pedido será julgado pelo juiz Caio Marcelo Mendes de Oliveira.

A Imbra foi fundada em abril de 2006 e teve receita de vendas de R$ 105 milhões em 2007. Em junho, foi vendida pelo GP investimentos por US$ 1. O fundo havia comprado a rede e investido mais de US$ 125 milhões. A decisão foi revertida depois que a Imbra teve forte crescimento em suas dívidas e reclamações de atendimento.

O site da empresa está fora do ar. A empresa "Máquina da Notícia", responsável pela assessoria de imprensa da Imbra, diz que parou de prestar o serviço há cerca de 2 semanas.

Atendimento ao consumidor

O Procon-SP orienta que, enquanto a falência não for decretada pelo Poder Judiciário, os contratos celebrados deverão ser cumpridos integralmente.

"Caso o fornecedor não realize os procedimentos contratados, este deverá restituir os valores pagos, pelo consumidor, corrigidos monetariamente", informou em nota.

O consumidor que encontrar dificuldades em ser atendido pela empresa, deve procurar o Poder Judiciário, diz o órgão.

Quer reclamar? Pesquise no site do Ministério da Justiça e descubra onde está o Procon mais perto da sua região.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O odonto-legista e um corpo não identificado


Resumo
Um adulto jovem desapareceu e oito dias após esse evento foi encontrado um corpo em estado avançado de putrefação com característica corporal similar e com as mesmas vestimentas. O reconhecimento e a leitura papiloscópica estavam impossibilitados devido ao estado em que fora encontrado o corpo. Os cadáveres em estado avançado de putrefação, os quais se tornam impossíveis constatar a identidade pelos meios convencionais, têm a possibilidade de serem identificados por meio dos elementos dentários. Para isso, é mister ter à mão dados produzidos em vida, principalmente os registros realizados após um tratamento odontológico. Este relato teve o objetivo de demonstrar a importância do registro dos procedimentos odontológicos realizados nos pacientes os quais eventualmente servirão de subsídios em identificações cadavéricas de corpos não identificados, assim como também apresentar o trabalho desenvolvido pelo cirurgião-dentista atuando como odonto-legista. O cirurgião-dentista deve utilizar qualquer recurso no intuito de registrar suas atividades diárias, pois por mais simples que sejam podem elucidar um desaparecimento e minorar a angústia de uma família angustiada. Artigo publicado em: RGO - Rev Gaúcha Odontol., Porto Alegre, v. 58, n. 3, p. 405-409, jul./set. 2010.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

III Congresso Brasileiro de Odontologia do Trabalho



Período: 18/11/2010 a 20/11/2010 das 8h às 19h.

Valores de Adesões
Prazo                Acadêmico            Pós e Sócio                   Não sócio

até 8/10             80,00                       150,00                          200,00

até 18/11           100,00                      180,00                          240,00

Local
Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo – FOUSP. Av. Prof. Lineu Prestes 2227, Cidade Universitária, São Paulo

Contato para Inscrição e Adesão
Organização – Professor Dr. Eduardo Crosato (Presidente do III CBOT - SP)
E-mail: ecrosato@usp.br, ou pelos telefones (11) 3091–7875 ou (11) 9997-1978.

Informações: http://www.abot.org.br/.

sábado, 2 de outubro de 2010

Três entre dez clínicas odontológicas de SP apresentam problemas sanitários

Fonte: Bom dia Brasil

Um levantamento da Vigilância Sanitária nos consultórios dentários de São Paulo, revelou um número preocupante: Um em cada dez clínicas odontológicas tem problema grave relacionados à higiene. E o principal deles é esterelização incorreta dos equipamentos. Em muitas delas o equipamento não estava funcionando, e em outra o material não foi nem lavado.

Edilson Soares de Lima mudou de dentista. Ficou desconfiado com os procedimentos adotados no outro consultório. “Eles abriam assim, a estufa. Arrancavam as agulhas de lá. Eu via apagada e falava para ele que não usaria aquele material pois a estufa estava fria. Ele falou: ‘não, isso aí eu limpei agora’. E eu falei que não usaria porque estava lá há um tempão", recorda Edilson.

Em um ano, 30% das clínicas odontológicas vistoriadas pela vigilância sanitária em São Paulo desobedeciam às normas de higiene, o que é uma ameaça à saúde.

“Risco de contrair moléstias infecciosas, algumas graves como HIV, hepatite B e C, e outras. Qualquer moléstia que possam ser veiculada por sangue e saliva”, explica Elisabeth Domingues Jalbut, técnica da Vigilância Sanitária Municipal de São Paulo.

O principal problema encontrado pela vigilância sanitária de São Paulo nos consultórios odontológicos está na esterilização. Todo o material usado pelo dentista deve passar pelo processo para destruir os germes. Mas é preciso seguir alguns critérios para garantir a saúde do paciente.

Os instrumentos devem ser submetidos à esterilização em alta temperatura numa estufa ou autoclave. Durante a consulta o paciente deve prestar atenção a alguns detalhes: Os materiais devem estar lacrados e só podem ser abertos na frente da pessoa.O encosto da cadeira tem que estar coberto. É preciso ter recipientes para lixo comum e um especial para as agulhas. O dentista é obrigado a lavar as mãos e usar luvas. E depois de colocá-las não pode tocar em nada, além dos equipamentos.

Uma dica: é preciso um tempo entre a saída de um paciente e o início de atendimento a outro. Isso mostra que o dentista adotou os procedimentos necessários. “Desconfie muito desses consultórios que atendem uma pessoa sem dar um espaço por que tem um espaço para se trocar, de tempo para se trocar todos esses materiais descartáveis”, diz o dentista Clóvis Naconecy.

O Conselho Regional de Odontologia garante que o profissional que desrespeita as exigências é punido. “Se pode até instaurar um processo ético que vai conter inúmeras punições desde advertência confidencial, advertência pública, suspensão do exercício por um determinado tempo, ou cassação do exercício profissional”, garante Emil Adib Eiazuk, presidente do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo.

Os dentistas também devem utilizar avental, touca, máscara e óculos de proteção. Para proteção do paciente e do próprio dentista.

Compartilhe