Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







sexta-feira, 4 de junho de 2010

CFO discute pós em Ortodontia na Câmara dos Deputados

CFO participa de audiência pública na Câmara dos Deputados, ao lado da ABOR, sobre a qualidade do ensino de pós-graduação em ortodontia.
O vice-presidente do Conselho Federal de Odontologia (CFO), Emanuel Dias de Oliveira e Silva (primeiro à direita na foto), participou, ao lado do presidente da Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR), Ronaldo da Veiga Jardim, de debate sobre a qualidade do ensino de pós-graduação em ortodontia. O encontro aconteceu na última quinta 27 de maio, durante audiência pública realizada pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados.

Atuação dos conselhos
O presidente da Comissão de Educação e Cultura, deputado Wilson Picler (PDT- PR), afirmou que pretende apresentar proposta de alteração da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96) para permitir que os conselhos profissionais possam estabelecer critérios adicionais para a validação dos diplomas e certificados de pós-graduação lato sensu em ortodontia e em outras áreas da saúde. “A livre concorrência na área de educação é predatória e causa uma série de distorções”, opinou.

O vice-presidente do CFO também defendeu a atuação dos conselhos profissionais federais e regionais para opinar sobre as reais demandas da sociedade nesta e em outras áreas da saúde.

O presidente da ABOR, por sua vez, criticou o excesso de cursos, que segundo ele contribui para a baixa qualidade do ensino e para a formação de “pseudo-especialistas”.

Para Jardim, muitos cursos são oportunistas, exclusivamente focados no negócio. “Diversos cursos de especialização, mesmo em desacordo com critérios técnicos e com as demandas da sociedade brasileira, são apresentados como forma de garantir emprego em um mercado já praticamente saturado”, afirmou.

Já Emanuel Dias de Oliveira e Silva informou que 1/3 dos cursos de especialização odontológica é na área de ortodontia. Segundo o presidente da ABOR, em setembro de 2009 existiam 309 cursos de pós-graduação em ortodontia registrados no CFO. “Isso sem contar os cursos que aparecem como credenciados pelo Ministério da Educação mas não estão registrados no Conselho. Estima-se que o número possa até dobrar por conta disso.” Jardim disse ainda que nos Estados Unidos existem apenas 64 cursos de pós-graduação em ortodontia.

Conforme o presidente da ABOR, somente 22 cursos existentes no Brasil têm carga horária superior a 2.000 horas/aula. A Federação Internacional de Ortodontia recomenda pelo menos 3.700 horas/aula. Já o CFO define como 1.000 horas/aula a carga horária mínima para especializações na área.

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe