Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







quarta-feira, 30 de junho de 2010

18º CORIG - Congresso Odontológico Rio-grandense


O 18º CORIG acontecerá de 13 a 17 de julho de 2010 e permitirá que os participantes assistam várias palestras, em diversas especialidades, com o intuito de aumentar o aprimoramento profissional.
Neste evento, a Odontologia Legal não poderia ficar de fora e o Prof. Mário Marques Fernandes apresentará a sua conferência intitulada: "ODONTOLOGIA LEGAL" no dia 16/07 às 16h30min - entrada franca.

Seguem abaixo, outros temas de interesse para a Odontologia Legal:
- Complicações Associadas ao Uso dos Mini-Implantes: O Que Fazer?
- Falha Anestésica em Endodontia, Mecanismos e Gerenciamento
- Fratura de Instrumentos Endodonticos
- Razões da Fratura dos Instrumentos Rotatórios: Soluções
- Odontologia do Trabalho
- Iatrogenia em Prótese Parcial - Relato de Casos
- Traumatismos Dentários
- Previsibilidade Estética em Implantodontia: 12 Anos de Evolução
- Perfurações Radiculares
- Seminário de Maus Tratos na Infância e na Adolescência: A Inserção do Cirurgião Dentista da Rede de Proteção
- Traumatismos Dentários e Tratamento Ortodôntico Subseqüente. Riscos, Problemas, Soluções.
- Complicações dos Enxertos do Ramo Mandibular: Como Evitá-las e Tratá-las
- Como Obter Previsibilidade na Resolução de Casos Complexos em Implantodontia

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Fotografia digital x analógica: a diferença na qualidade é perceptível?


Resumo
A utilização da fotografia digital em Ortodontia tem sido assunto de grande interesse nos últimos anos. Este novo recurso possui inúmeras características que o torna um método de obtenção de imagens muito interessante. Por outro lado, a dúvida quanto à qualidade das imagens gerada por esses novos equipamentos, muitas vezes, desencoraja os profissionais a utilizarem essa nova tecnologia. O objetivo desse trabalho foi avaliar a capacidade de percepção dos ortodontistas em diferenciar as fotografias analógicas das digitais, bem como pesquisar a qualidade das mesmas. Para essa avaliação, foram selecionadas dez fotografias digitais e dez analógicas com um padrão ótimo de qualidade. Todas as tomadas fotográficas foram realizadas pelo mesmo operador. As imagens foram “reveladas” em papel fotográfico e submetidas à avaliação de cinco ortodontistas e cinco alunos de pós-graduação em Ortodontia sorteados aleatoriamente. Os examinadores definiram se as fotografias foram obtidas por câmeras fotográficas analógicas ou digitais e julgaram a qualidade de cada fotografia em uma escala que variava de zero a cinco. Os dados obtidos foram submetidos ao tratamento estatístico e os resultados encontrados demonstraram que a freqüência de erros e acertos ocorreu igualmente nos dois tipos de fotografias (p > 0,05). Em relação à qualidade das fotografias analisadas, o valor médio conferido pelos examinadores às fotografias analógicas foi de 3,49 e o das digitais foi de 4,07 (p < 0,001). Conclui-se que a qualidade da fotografia digital encontra-se dentro de padrões plenamente aplicáveis à Ortodontia. Artigo publicado em: Revista Dental Press Ortodon Ortop Facial Maringá, v. 10, n. 4, p. 115-123, jul./ago. 2005.
Baixar texto completo.
Autor: awmachado@bol.com.br.

sábado, 26 de junho de 2010

Análise legal das informações sobre instruções de uso presentes nas embalagens de limas K-File.


Resumo.
Introdução: A Anvisa classifica as limas endodônticas como produtos de uso médico e, portanto, todas as marcas comercializadas no país devem possuir registro nesse órgão. Para obter tal registro, diversas informações sobre o produto têm de ser disponibilizadas ao consumidor (cirurgião-dentista) para proporcionar o seu uso adequado e evitar possíveis acidentes. Objetivo: Procurou-se analisar se as informações dispostas em embalagens, rótulos e instruções de uso das limas endodônticas tipo Kerr estão de acordo com a legislação vigente, especialmente as estabelecidas pela Anvisa e pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). Material e métodos: Foram visitados 29 estabelecimentos de comércio varejista de produtos odontológicos e adquiridas 11 amostras de diferentes marcas comerciais de limas tipo Kerr da primeira série completa (15-40), tendo sido comparadas as informações disponibilizadas com as preconizadas pelas determinações legais. Resultados: Verificou-se que nenhuma das marcas fornecia informações sobre o modo de usar e o meio de acondicionamento das limas antes/após o uso. Apenas a marca SybronEndo alertava acerca dos riscos do uso das limas e apresentava critérios para número de uso e descarte. Somente a marca Mani informava satisfatoriamente a respeito do modo de esterilização. Conclusão: Constatou-se que determinadas normas estabelecidas pela Anvisa e pelo CDC estão sendo descumpridas, quando analisados os pontos referentes à exibição de certas informações necessárias e obrigatórias que deveriam constar em rótulos, instruções de uso ou embalagens comerciais das limas tipo Kerr. Considerando a grande quantidade de dados que devem ser disponibilizados para a correta utilização das limas endodônticas, é importante que eles sejam exibidos preferencialmente por meio de instruções de uso anexadas à embalagem comercial que será adquirida pelo cirurgião-dentista. Artigo publicado em: Revista Sul-Brasiliera de Odontologia. 2010 Jun;7(2):200-7.
Baixar texto completo.
Autor: rhonanfs@terra.com.br.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Cirurgia ortognática: orientações legais aos ortodontistas e cirurgiões bucofaciais

Resumo
Os autores entrevistaram especialistas em Ortodontia e em Cirurgia Bucomaxilofacial, elaboraram uma lista de ocorrências específicas do dia-a-dia do exercício da especialidade, redigindo, com base na legislação vigente e na literatura, uma série de orientações, atitudes e comportamentos que sugerem como rotina aos profissionais.

Introdução
A cirurgia ortognática é assim denominada por constituir-se de técnicas de osteotomias realizadas no sistema mastigatório com o objetivo de corrigir as discrepâncias relacionais maxilares e, por conseguinte, estabelecer o equilíbrio entre a face e o crânio. A relação maxilo-mandibular corrigida pela cirurgia ortognática favorecerá a função mastigatória, a fonética, a respiração e a estética facial. Portanto, muitas implicações estão envolvidas neste tratamento cirúrgico, pois as mudanças faciais repercutem na vida pessoal e social do indivíduo, e por vezes o componente psicológico do paciente deverá ser preparado para receber um procedimento cirúrgico de tal magnitude.

Os sentimentos dos pacientes também são determinados pela sua face e a deformidade dentofacial pode prejudicar suas relações sociais. Após a cirurgia ortognática, observa-se uma plena disposição do paciente para novas relações, pois os resultados funcional e estético são observados rapidamente e o indivíduo sente-se seguro para vislumbrar novos horizontes.

O incentivo da família pode ser um fator positivo para o paciente, sendo um valioso recurso complementar terapêutico, segundo Ponzoni. Porém, existem algumas famílias que por medo e por preconceito não aceitam a idéia da realização de uma cirurgia, muitas vezes por achar que se está negando uma característica hereditária, sendo um fator negativo para a recuperação do paciente.


A decisão para se fazer o tratamento cirúrgico deve partir do paciente. O profissional e a família não devem induzi-lo à realização de um procedimento cirúrgico que irá produzir alterações irreversíveis na sua face e na sua personalidade. A cirurgia ortognática é um tratamento que não se resume apenas ao ato cirúrgico e sim a um trabalho prévio de preparação de 18 a 24 meses, onde estará incluído o tratamento ortodôntico, fonoaudiológico e psicológico. Realizada a cirurgia, segue o tratamento ortodôntico por mais 8 a 12 meses para os ajustes finais e o acompanhamento dos outros profissionais por tempo indeterminado.

Portanto, a complexidade do tratamento exige uma interação, entre os profissionais e o paciente, de confiança e cumplicidade para se chegar ao objetivo final de satisfação do paciente com relação à função e à estética.

Artigo publicado em: Revista Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 10, n. 6, p. 75-83, nov./dez. 2005.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Forensic Human Identification: An Introduction

Product Details

Author: Tim Thompson (Editor), Sue Black (Editor)
Hardcover: 544 pages
Publisher: CRC Press; 1 edition (November 14, 2006)
Language: English
ISBN-10: 0849339545
ISBN-13: 978-0849339547
Product Dimensions: 10.1 x 7.1 x 1.2 inches

Buy here.

Product Description
Identity theft, criminal investigations of the dead or missing, mass disasters both by natural causes and by criminal intent – with this as our day to day reality, the establishment and verification of human identity has never been more important or more prominent in our society. Maintaining and protecting the integrity of out identity has reached levels of unprecedented importance and has led to international legislation to protect our human rights.

Forensic Human Identification: An Introduction examines the variety of biological indicators that are available to investigators and illustrates the basic principles of each discipline. While DNA and fingerprints are clearly the favored methods of identification, they require a prior record and verifiable baseline for comparison. When these tools cannot be used it is necessary to employ those biological factors with higher variation and lower diagnostic probability. This reference introduces a number of different specialties such as, foot- and earprinting, dental interventions, skeletal anomalies, tattoos, facial reconstruction, personal effects, and handwriting.

While recognizing that no single factor is an absolute indicator of identity, the contributors explain how a multitude of factors taken into summative consideration can establish a probability for confirmation. They discuss the difference between positive and probable identification and the use of exclusion to confirm identity. Using three high profile case studies, the book addresses the context of human identification in today’s society and illustrates the use of techniques described in the text.

Heavily referenced and using more than 120 charts, figures, photographs, and tables, Forensic Human Identification: An Introduction provides detailed introductory and extended information to newcomers and experts alike on the wide range of identification techniques in international practice.

domingo, 20 de junho de 2010

Bazar da Caridade




Em uma intervenção quase ao vivo para o Odontologia Forense, gostaria de postar fotos do antigo Bazar da Caridade, hoje, Igreja de Notre Dame de Consolation, em Paris. Todos que militam nesta área sabem da importância do incêndio do Bazar da Caridade para a sociedade da época e para a Odontologia Legal.



No dia 4 de maio de 1897, um terrível incêndio devasta a venda anual do bazar da caridade situado no bairro François I (hoje o bairro numero 8) em Paris. A capela Notre-Dame-de-Consolation foi construída, quatro anos depois deste terrível incêndio, em memória às vítimas que faleceram nesse dia.



"Notre-Dame-de-Consolation" Chapel - Situa-se hoje rua Jean Goujon no VIII arrondamento de Paris. A Duquesa d'Alençon, irmã da imperadora Elizabeth d'Austria chamada "Sissi", pereceu nas chamas assim como 140 outras vítimas. A Capela Notre Dame-de-Consolation foi erigida para perpetuar a memória dessas vítimas, que deram as suas vidas para os outros.




sexta-feira, 18 de junho de 2010

A importância da descrição de lesões odontológicas nos laudos médico-legais


Resumo
A violência familiar é importante causa de lesões que, geralmente, atingem a face e vem sendo uma das principais preocupações sociais, dada a magnitude dos danos que provoca. Nos casos denunciados à polícia, a documentação médico-legal torna-se fundamental para a tipificação do crime e estabelecimento da pena. Este estudo teve por objetivo analisar os laudos médicos-legais procedentes das ocorrências policiais de violência familiar física, evidenciando possíveis erros quanto à sua elaboração. Foram analisados 7.750 inquéritos e termos circunstanciados na Delegacia da Mulher de um município do Estado de São Paulo, entre 2001 e 2005, e incluídos na amostra os referentes às agressões familiares físicas (n = 1.844). Foram analisadas as descrições literais realizadas pelos peritos, no que se refere às lesões odontológicas e suas classificações legais. Dos 1.844 analisados, 62,8% contavam com o laudo médico-legal. Quanto à descrição, principalmente as lesões de interesse odontológico realizaram de forma equivocada. Conclui-se que os laudos analisados não descreviam adequadamente as lesões, evidenciando possível desconhecimento dos peritos responsáveis pela sua emissão. Artigo publicado em: RPG Rev Pós Grad 2008;15(1):59-64.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

AVALIAÇÃO DA REABSORÇÃO RADICULAR APÓS A MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE


Resumo
O presente estudo teve como objetivo avaliar quantitativamente o grau de reabsorção radicular em dentes com tratamento endodôntico (Grupo 1) e dentes com vitalidade (Grupo 2), antes e após o tratamento ortodôntico. A amostra foi composta de 20 indivíduos, dos gêneros masculino e feminino. O critério de seleção foi a presença de um incisivo superior com tratamento endodôntico prévio ao tratamento ortodôntico e o seu correspondente homólogo, com vitalidade para controle e parâmetro de comparação. As medições foram realizadas em radiografias periapicais e modelos de estudo em gesso obtidos antes e após o tratamento ortodôntico corretivo, por um único operador, com um paquímetro digital e auxílio de uma lupa. Mediu-se na radiografia, o comprimento total (da borda incisal até o ápice radicular) e a altura da coroa do dente tratado endodonticamente e do correspondente com vitalidade. Seguiu-se a medição da altura da coroa (da borda incisal até a margem gengival) de ambos os dentes nos modelos em gesso e aplicou-se regra de três baseada no método de Huckaba (1964), para se obter o comprimento real dos dentes. Os resultados demonstraram que, apesar do grupo 1 ter apresentado um grau de reabsorção menor que o grupo 2 ao final do tratamento ortodôntico, essa diferença não foi estatisticamente significante (p = 0.05). Concluiu-se que os dentes com tratamento endodôntico apresentaram menor grau de reabsorção radicular ao final do tratamento ortodôntico. Artigo publicado em: Revista Odonto Ciência – Fac. Odonto/PUCRS, v. 20, n. 47, jan./mar. 2005, 50-56.
Baixar texto completo.
Autor: tatibk@terra.com.br

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Fratura de agulha – relato de caso


Resumo
O tratamento odontológico não está isento de riscos. Acidentes e complicações podem estar associados aos vários tipos de procedimentos realizados pelo cirurgião dentista. Dentre as especialidades, a cirurgia bucomaxilofacial é aquela em que o profissional está mais exposto a encontrar complicações. As agulhas anestésicas conduzem a solução anestésica do tubete aos tecidos, levando à interrupção temporária na condução dos impulsos dolorosos. Nas primeiras décadas do século 20, eram utilizadas, para anestesia local, agulhas rígidas e não descartáveis, o que proporcionava uma incidência muito grande de fraturas de agulha durante bloqueios anestésicos. Com a evolução tecnológica, foram desenvolvidas as agulhas descartáveis, fabricadas com aço inoxidável flexível, permitindo, assim, que esse tipo de complicação se tornasse rara. Atualmente, as razões para esse acidente são variadas e podem estar associadas a falhas na fabricação da agulha, a movimentação súbita do paciente durante a punção, ou a erros de técnica profissional, como a inserção de toda a haste da agulha no tecido-alvo, dobra da haste da agulha ou a sua reutilização excessiva, o que provoca a fadiga do metal. Este artigo se propõe a apresentar um relato de caso de fratura de agulha anestésica tratado no serviço de cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial do Hospital Santo Antônio das Obras Sociais Irmã Dulce. Artigo publicado em: R. Ci. méd. biol., Salvador, v.7, n.3, p. 305-309, set./dez. 2008.

sábado, 12 de junho de 2010

Book: Bitemark Evidence


Product Description
The first stand-alone textbook on the subject, this reference compiles the expertise and recommendations of a team of 21 eminent specialists from the disciplines of forensic odontology, DNA analysis, pathology, and jurisprudence to illustrate the many facets of bitemark recognition, diagnosis, handling, excision, lifting, transillumination, storage, preservation, transportation, analysis, and comparison. With more than 543 black and white photographs and 32 full-color pages, the book illustrates animal and human bitemarks on the living, the deceased, and on objects, incorporating sections on the history of bitemark evidence, salivary DNA, genotypic comparison of oral bacteria, and more.
 
Product Details
Robert B.J. Dorion (Editor)
Hardcover: 680 pages
Publisher: CRC Press; 1 edition (November 1, 2004)
Language: English
ISBN-10: 082475414X
ISBN-13: 978-0824754143
Product Dimensions: 10.1 x 6.8 x 1.4 inches

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Avaliação da correlação entre os estágios de mineralização dos dentes inferiores e a idade esquelética observados sob o gráfico de crescimento puberal


Resumo
A radiografia de mão e punho é utilizada em Ortodontia para avaliação dos estágios de maturação dos pacientes e, conseqüentemente, dos estágios do crescimento facial e da estatura. Esta radiografia permite a identificação da idade esquelética do paciente podendo ser correlacionada ao gráfico do surto de crescimento puberal. Já a radiografia panorâmica permite uma avaliação geral da condição de desenvolvimento dos dentes. Intencionou-se com esse trabalho avaliar a possibilidade de correlação entre os estágios de mineralização dos dentes inferiores com a idade esquelética vista pelo gráfico do surto de crescimento puberal, em ambos os gêneros. Um total de 190 radiografias de mão e punho, acompanhadas de radiografias panorâmicas, obtidas em uma mesma época, de 104 jovens do gênero masculino e 86 do feminino foram analisadas. Após a comparação dos resultados, concluiu-se que não existe a possibilidade de correlação consistente entre os estágios de mineralização dentária na arcada inferior e a idade esquelética vista através do gráfico do SCP (Artigo publicado em: Revista Dental Press Ortodon Ortop Facial Maringá, v. 10, n. 2, p. 75-86, mar./abr. 2005).

terça-feira, 8 de junho de 2010

Correlação entre os estágios de mineralização dentária na arcada inferior e a idade esquelética. Revisão da literatura


Resumo
O objetivo do presente trabalho foi o de revisar a literatura buscando uma correlação entre os estágios de mineralização dentária e a idade esquelética. Enquanto alguns trabalhos não encontraram nenhuma correlação entre essas idades biológicas, outros mostraram uma íntima relação entre elas, sugerindo a determinação da idade esquelética a partir da mineralização radicular de dentes específicos, principalmente no arco inferior. Portanto, um levantamento minucioso das opiniões acerca do assunto poderá colaborar para uma melhor compreensão das controvérsias existentes (Artigo publicado em: Revista Dental Press Ortodon Ortop Facial Maringá, v. 10, n. 1, p. 131-138, jan./fev. 2005).

domingo, 6 de junho de 2010

Responsabilidade civil e ética do ortodontista

Resumo
O que se observa atualmente é um aumento no processo de desenvolvimento social que abrange, praticamente, todas as áreas da ciência. Essa conscientização global assegura direitos bem definidos para toda a sociedade, bem como deveres para os profissionais que detêm o conhecimento científico. Em virtude disso, surge o aumento de conflitos entre profissionais de todas as áreas com seus clientes, assim como de dentistas para com seus pacientes. A preocupação desse estudo é apresentar aspectos relacionados à natureza legal e ética a que os ortodontistas estão submetidos, diariamente, em suas clínicas, mencionando aspectos pilares da responsabilidade civil do ordenamento jurídico atual, como também a postura ética que o ortodontista deverá ter com seu assistido (Publicado em: Revista Dental Press Ortodon Ortop Facial Maringá, v. 9, n. 6, p. 90-96, nov./dez. 2004).


Autor: cloomin@zaz.com.br.
Baixar artigo na íntegra.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

CFO discute pós em Ortodontia na Câmara dos Deputados

CFO participa de audiência pública na Câmara dos Deputados, ao lado da ABOR, sobre a qualidade do ensino de pós-graduação em ortodontia.
O vice-presidente do Conselho Federal de Odontologia (CFO), Emanuel Dias de Oliveira e Silva (primeiro à direita na foto), participou, ao lado do presidente da Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR), Ronaldo da Veiga Jardim, de debate sobre a qualidade do ensino de pós-graduação em ortodontia. O encontro aconteceu na última quinta 27 de maio, durante audiência pública realizada pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados.

Atuação dos conselhos
O presidente da Comissão de Educação e Cultura, deputado Wilson Picler (PDT- PR), afirmou que pretende apresentar proposta de alteração da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96) para permitir que os conselhos profissionais possam estabelecer critérios adicionais para a validação dos diplomas e certificados de pós-graduação lato sensu em ortodontia e em outras áreas da saúde. “A livre concorrência na área de educação é predatória e causa uma série de distorções”, opinou.

O vice-presidente do CFO também defendeu a atuação dos conselhos profissionais federais e regionais para opinar sobre as reais demandas da sociedade nesta e em outras áreas da saúde.

O presidente da ABOR, por sua vez, criticou o excesso de cursos, que segundo ele contribui para a baixa qualidade do ensino e para a formação de “pseudo-especialistas”.

Para Jardim, muitos cursos são oportunistas, exclusivamente focados no negócio. “Diversos cursos de especialização, mesmo em desacordo com critérios técnicos e com as demandas da sociedade brasileira, são apresentados como forma de garantir emprego em um mercado já praticamente saturado”, afirmou.

Já Emanuel Dias de Oliveira e Silva informou que 1/3 dos cursos de especialização odontológica é na área de ortodontia. Segundo o presidente da ABOR, em setembro de 2009 existiam 309 cursos de pós-graduação em ortodontia registrados no CFO. “Isso sem contar os cursos que aparecem como credenciados pelo Ministério da Educação mas não estão registrados no Conselho. Estima-se que o número possa até dobrar por conta disso.” Jardim disse ainda que nos Estados Unidos existem apenas 64 cursos de pós-graduação em ortodontia.

Conforme o presidente da ABOR, somente 22 cursos existentes no Brasil têm carga horária superior a 2.000 horas/aula. A Federação Internacional de Ortodontia recomenda pelo menos 3.700 horas/aula. Já o CFO define como 1.000 horas/aula a carga horária mínima para especializações na área.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Renovação da Diretoria do CRO-GO


VITÓRIA DA ODONTOLOGIA GOIANA!!!!

Confirmando o resultado do 1º turno das eleições para a disputa da diretoria do CRO-GO, em que a chapa 2 venceu com quase 500 votos de frente, para o 2º turno, a história se repetiu.
Com mais de 500 votos de diferença, a chapa 2 (NOVO CRO) foi eleita pela maioria dos cirurgiões-dentistas goianos para representar a categoria no biênio 2010-12, numa disputa acirrada na capital e definida com ampla margem de vantagem no interior.
O continuísmo (continuidade?) foi rejeitado nas urnas pela maioria dos profissionais, permitindo a criação de um novo espaço para a discussão e resolução dos problemas que aflingem a categoria.

Parabéns a todos os cirurgiões-dentistas goianos!!
Mais informações: http://www.crogo.org.br/

Compartilhe