Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







domingo, 30 de maio de 2010

Orientação Profissional para o Cirurgião-dentista - Ética e Legislação

ISBN: 9788572888486
Autor: Ricardo Henrique Alves da Silva
Selo Editorial: SANTOS
Acabamento: Brochura
Formato: 17 X 24
Edição: 1, 2010
Número de páginas: 608
Peso: 1.12 kg
Compre aqui.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Prevenção, promoção e recuperação da saúde bucal do trabalhador


Resumo.
No decorrer da História foram mudados os termos que se relacionavam ao trabalhador, sua saúde e seu ambiente de trabalho: de Medicina do Trabalho para Saúde Ocupacional e chegando a Saúde do Trabalhador. Esse artigo tem como objetivo demonstrar, através de estudo de diversos autores, a relevância da saúde bucal do trabalhador. Essa revisão de literatura alerta sobre a importância de conhecer os problemas bucais que possam afetar os trabalhadores. Tem a intenção de analisar a epidemiologia, patologia e etiologia, além de compreender o impacto que possam ocasionar na qualidade de vida, promovendo saúde bucal. Desse objetivo decorre a importância do cirurgião-dentista na saúde do trabalhador, evitando o absenteísmo odontológico, pois a dor orofacial pode alterar as condições de vida e trabalho do indivíduo mais do que outras condições sistêmicas como, por exemplo, diabetes e pressão alta. A odontologia do trabalho só tem a colaborar com a saúde do trabalhador tanto na esfera pública quanto na privada, porque, verdadeiramente, o que se busca é um trabalhador com condições de saúde bucal adequadas para sua atividade laborativa e com uma melhoria em sua qualidade de vida. Publicado em: RGO, Porto Alegre, v. 57, n.3, p. 345-349, jul./set. 2009.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Modelos de prótese parcial removível e comunicação entre cirurgiões-dentistas e técnicos nos laboratórios na cidade de Teresina (PI)


Resumo
Objetivo: Avaliar a qualidade dos modelos para a confecção de próteses parciais removíveis. Métodos: Foram analisados 140 modelos em cinco laboratórios de prótese dentária da cidade de Teresina, Piauí, registrados no Conselho Regional de Odontologia. Uma ficha foi aplicada, com 14 questões fechadas e os dados coletados foram submetidos à análise estatística utilizando-se o programa SPSS. Os modelos foram analisados à luz natural ou artificial e fotografados para fins de registro e ilustração. Resultados: Os resultados demonstraram que em 100% dos casos o material de moldagem utilizado foi o alginato, sendo 96,43% dos modelos vazados pelo cirurgião-dentista. Destes, 64,47% foram vazados em gesso pedra e 36,43% em gesso especial. De acordo com critérios como qualidade de superfície, reprodução de detalhes, presença de bolhas e/ou nódulos, reprodução adequada da área edentada, 78,57% dos modelos foram considerados inadequados. Os modelos foram, na sua maioria (96,43%), montados em articulador pelo técnico de prótese dentária, sendo que apenas um cirurgião-dentista encaminhou o registro para montagem dos modelos. O articulador tipo charneira foi utilizado em 97,14% das montagens. Em 94,29% dos casos o planejamento e desenho não foram executados pelo cirurgião-dentista e em 87,86% dos casos nenhuma evidência de preparo de boca foi encontrada. A comunicação entre o cirurgião-dentista e o técnico de prótese dentária foi, na sua maioria, feita por telefone, em 80% dos casos. Conclusão: Deste modo, constatou-se que a prótese parcial removível continua sendo negligenciada em relação à sua confecção clínica e laboratorial, através de uma transferência excessiva de responsabilidades do cirurgião-dentista ao técnico de prótese dentária e de uma comunicação ineficaz entre ambos. Artigo publicado em: RGO, Porto Alegre, v. 57, n.3, p. 273-279, jul./set. 2009.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

II Jornada de Odontologia Legal e Forense do Paraguai



Cursos programados: Odontologia Legal y Forense
Dra. Martha Maldonado, Dr Carlos Zemborain, Dr. Oscar Heit (Argentina)
Acesse a programação científica: http://www.cop.com.py/eventos/COP2010.htm

sábado, 22 de maio de 2010

Levantamento da prevalência de agenesias dentais em pacientes com idade entre 7 e 16 anos


Resumo
Objetivo: Avaliar a prevalência das agenesias dentais em pacientes com idades entre 7 e 16 anos, do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, a partir da análise de radiografias panorâmicas, no período de 2005 a 2007. Métodos: Foram analisadas 1 500 radiografias panorâmicas, 750 do sexo masculino e 750 do sexo feminino, por um único operador. Resultados: Os dados das amostras foram analisados estatisticamente pelos testes qui-quadrado, t-Student e Análise de Variância com nível de significância de 5%, sendo encontrada a presença de agenesia em 40,6% dos pacientes. Foi demonstrado não haver influência do gênero na ocorrência da agenesia dental. O dente que apresentou maior frequência deste tipo de anomalia foi o terceiro molar, seguido pelo segundo pré-molar (principalmente os inferiores), incisivo lateral superior e primeiro pré-molar superior. Embora não existindo diferença estatisticamente significativa em relação aos demais quadrantes, a localização mais frequente ocorreu na mandíbula, no quadrante inferior direito. Conclusão: Foi encontrada uma prevalência alta de agenesias, não havendo diferença estatisticamente significativa em relação ao gênero. Existiram diferenças estatísticas significativas entre as médias das agenesias com relação aos dentes. Quanto à localização não foram encontradas diferenças na presença da anomalia. Publicado em: RGO, Porto Alegre, v. 58, n.1, p. 35-39, jan./mar. 2010.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Banco de dentes humanos: perfil sócio-cultural de um grupo de doadores


Resumo
Objetivo: Levantar o perfil sócio-cultural de um grupo específico de indivíduos que doaram elementos dentais ao Banco de Dentes Humanos da Universidade Positivo, Curitiba, Paraná. Métodos: A pesquisa consistiu-se em questionário contendo informações sobre: idade do paciente, gênero, ocupação, escolaridade, motivo da perda dentária e intenção de repor o dente perdido por meio de prótese ou implante. O questionário foi preenchido por 50 pacientes após realização do procedimento de exodontia e doação do órgão dental. Os dados foram compilados e analisados através de estatísticas descritivas e multivariadas. Resultados: O perfil sócio-cultural do doador compreendeu principalmente indivíduos na faixa etária dos 30 a 50 anos, com escolaridade variando de zero a nove ou mais anos de estudo formal. A doença cárie foi o motivo para perda dental mais frequente (36%), seguida da doença periodontal (34%). Dos doadores analisados, mais da metade não tinha a intenção de repor o elemento dental. Ainda, segundo a análise multivariada, os mais relevantes fatores para avaliação do perfil dos doadores foram as variáveis idade, indicação ortodôntica, cárie e doença periodontal. Conclusão: Tais informações mostram-se relevantes na estruturação dos serviços de atenção em saúde bucal, bem como na estratégia de captação de elementos dentais junto às Unidades de Saúde públicas. Publicado em: RGO, Porto Alegre, v. 58, n.1, p. 91-94, jan./mar. 2010.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Publicidade em odontologia: avaliação dos aspectos éticos envolvidos


Resumo
Objetivo: Averiguar se os profissionais que fazem uso de publicidade em odontologia por meio de placas de anúncio respeitam os aspectos éticos determinados pela Resolução Conselho Federal de Odontologia n.71 de 2006. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, no qual foram avaliadas 178 placas de anúncio de clínicas odontológicas no município de São Paulo. Resultados: Dentre as placas analisadas, 91,4% eram de pessoas físicas e 9,6% jurídicas. Em relação aos aspectos éticos relacionados ao anúncio, apenas 44,9% das placas apresentavam todos os itens obrigatórios, segundo o Conselho Federal de Odontologia. O item menos encontrado nas propagandas foi o número de inscrição no Conselho Regional de Odontologia (34,8%). Sobre os outros itens permitidos pelo Conselho Federal de Odontologia, o telefone (65,2%) foi o mais presente. Dentre as infrações éticas, foram observados que 1,7% das placas apresentavam a forma de pagamento. Conclusão: Os profissionais não estão seguindo os preceitos éticos estabelecidos no Código de Ética em Odontologia, sendo necessária a conscientização desses profissionais para que a comunicação e divulgação de seus serviços sejam realizados eticamente. Publicado em: RGO, Porto Alegre, v. 58, n.1, p. 85-89, jan./mar. 2010.

domingo, 16 de maio de 2010

Epidemiologia das doenças bucais em indivíduos na faixa etária entre 35 e 44 anos: o cenário epidemiológico do trabalhador


Resumo
Objetivo: Revisar a respeito de estudos epidemiológicos em doenças bucais, especificamente cárie, doença periodontal e câncer bucal, na faixa etária entre 35 e 44 anos. Métodos: A estratégia utilizada para identificação dos artigos foi realizada por meio da base de dados PubMed, utilizando as palavras chave: dental health surveys, epidemiology, caries, periodotitis, cancer, sempre com o operador boleano and sem limitação de idioma. Os critérios de exclusão foram: artigos publicados a mais de 10 anos, artigos que não retratassem adultos de 35 a 44 anos e artigos que não abordassem o assunto proposto. Resultados: Para cárie dentária foram encontrados 7 071 artigos e foram excluídos 6 992 artigos, restando 79. Do critério textos completos, de 19 artigos foram selecionados 8 que estavam coerentes com os objetivos do trabalho. Para doença periodontal foram encontrados 1 554 artigos e foram excluídos 872 artigos. Com a avaliação de textos completos, foram selecionados 6 artigos. Quanto ao assunto câncer bucal foram encontrados 573 artigos e 3 artigos se adequaram ao trabalho. Conclusão: Pode-se considerar que a doença cárie aumenta com a idade e que a perda dentária prevalece no CPO-D nos adultos. Em adultos prevalece o cálculo e as bolsas rasas e a necessidade de prótese é maior no idoso apesar de ser significante nos adultos de 35 a 44 anos. O câncer bucal tem maior incidência no sexo masculino com um sinergismo nos fumantes etilistas. Durante a busca na base de dados observou-se que o número de pesquisas é menor entre os adultos. Artigo publicado em: RGO, Porto Alegre, v. 58, n.1, p. 109-114, jan./mar. 2010.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Peritos e perícias em Odontologia

Imagem obtida na internet.

Resumo
A Odontologia Legal se preocupa em levar conhecimentos da ciência odontológica a serviço da justiça. A atuação do cirurgião-dentista que se dedica a esta área, é regulamentada pela lei 5.081/66 no território nacional, lei esta que estabelece que é de competência do cirurgião-dentista proceder à perícia odontolegal em Foro Civil, Criminal, Trabalhista, realizando perícias como as de identificação, lesões corporais, responsabilidade profissional e acidentes de trabalho; bem como poderá realizar as chamadas perícias em Sede Administrativa ou de Convênios, quando atuará como avaliador ou auditor. Artigo publicado em: Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2007 set-dez; 19(3):320-4.
Peritos
Peritos são “experts” em determinados assuntos, incumbidos por autoridades competentes de os esclarecerem um processo. Outra definição é a de que um perito é todo técnico que, por sua especial aptidão, solicitado por autoridades competentes, esclarecem a justiça ou a polícia acerca de fatos, pessoas ou coisas, a seu juízo, como início de prova. Dessa forma, aduz-se que todo profissional pode ser perito (Croce e Croce Júnior6, 1998).
Perícias
A perícia é a busca de provas de que a justiça precisa para esclarecer pontos que envolvem o acontecimento. Pode ser classificada de acordo com a matéria a ser esclarecida (agrária, contábil, odontológica, médica etc.) (Maranhão11, 2000) e primordialmente em função da relação que existe entre o perito e o examinando (direta ou indireta). As perícias diretas são aquelas nas quais o perito examina a pessoa em questão e emite um relatório (laudo), e as indiretas são baseadas em registros, relatórios, peças processuais, ou prontuários de atendimento em outros serviços, sendo emitido um relatório (parecer) sobre o caso em questão (Croce e Croce Júnior6, 1998; Xavier Filho17, 1996).

terça-feira, 11 de maio de 2010

Ocorrência de acidentes pérfuro-cortantes em um Curso de Odontologia

Imagem obtida na internet.


Resumo
Objetivo: Avaliar o índice de ocorrências e as características dos acidentes, notificados, envolvendo materiais pérfuro-cortantes em alunos, funcionários e professores, no período entre 2000 e 2005 na Clínica Odontológica da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo. Métodos: Foi realizado levantamento das fichas de notificações de ocorrências de acidentes, considerando o material que provocou o acidente, o período do dia da ocorrência, a disciplina em que ocorreu e a conduta clínica executada no pronto atendimento. Foram ainda considerados, quando disponíveis, os resultados dos exames laboratoriais do acidentado e do paciente fonte. Resultados: Os dados avaliados mostraram 40 notificações de acidentes, sendo que 39 notificações foram envolvendo alunos de graduação e um funcionário. O instrumento que mais provocou acidente foi a agulha de anestesia e o maior número desses acidentes aconteceu na disciplina de Cirurgia. Entretanto, 50% das fichas não apresentavam as informações completas o que impediu uma avaliação epidemiológica mais apurada. Conclusão: Os dados obtidos permitiram concluir que o índice de ocorrência de acidentes foi extremamente baixo considerando o número de atendimentos clínicos realizados no período e levanta-se a hipótese de que muitos casos não foram notificados. Publicado em: RGO, Porto Alegre, v. 58, n.1, p. 77-80, jan./mar. 2010.

domingo, 9 de maio de 2010

Projeto de Lei Criará "Identidade Odontológica"


O Projeto de Lei n. 4731/2009, proposto pela Deputada Luciana Costa pretende criar a "identidade Odontológica".

JUSTIFICAÇÃO
"Entre as ocorrências que mais causam comoção na opinião pública estão os grandes acidentes que causam numerosas mortes. Porém não é possível a terceiros aquilatar a verdadeira extensão do sofrimento das famílias das vítimas. À perda de entes queridos somam-se a dor de ver seus corpos mutilados a ponto de impedir seu reconhecimento e a angústia de ter de aguardar um árduo processo de identificação para poder proceder ao sepultamento e às medidas exigidas pela lei civil.
Um meio tradicional, seguro e pouco dispendioso de identificação póstuma de corpos mutilados é o estudo das arcadas dentárias. Os dentes são as estruturas mais resistentes do corpo humano, e mantêm sua integridade mesmo se submetidos a condições severas. A limitação do método é funcionar por comparação, ou seja, é necessário dispor de registro anterior para referência. Quanto mais abrangente o registro, maior a probabilidade de se fazer uma identificação acurada. O registro gráfico completo das arcadas dentárias, incluindo dentes perdidos, dentes restaurados, diastemas, etc, é chamado de odontograma. Nem todos o possuem, pois é comum que ao longo da vida se consultem diversos odontólogos, que guardam apenas registros correspondentes ao atendimento que prestaram. Os registros parciais combinados poderiam também satisfazer ao processo de identificação, porém nem sempre as famílias conseguem localizar os profissionais para obtê-los. Como resultado, frequentemente se deixa de fazer identificação cadavérica, com os problemas decorrentes.
O presente projeto é fruto da preocupação com essa situação, e de um sincero desejo de minorar os padecimentos das famílias. A “identidade odontológica” é a cópia do registro feito pelo dentista das características da dentição do paciente, ou seja, o odontograma, a lhe ser entregue para que a mantenha guardada junto com os demais documentos. Observe-se que o projeto não cria ônus. Cabe ao profissional, com base em seus conhecimentos e discernimento, a decisão de fazer ou não o odontograma. O que se pretende é que se o procedimento for feito o paciente receba uma cópia, evidentemente autenticada, ou seja, identificada, datada e assinada pelo profissional. Se necessário, essa cópia poderá ser utilizada na identificação. A confiabilidade desse documento, por sua vez, reside no fato de poder a qualquer tempo comparado com os registros em posse do odontólogo que o assinou".

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Consentimento livre e esclarecido em odontologia nos hospitais públicos do Distrito Federal


Resumo
A individualidade e o poder de decisão dos indivíduos devem ser respeitados. A autonomia manifestada por meio do consentimento livre e esclarecido é a fonte de tal respeito. Este trabalho visou levantar dados sobre a realidade no uso do consentimento livre e esclarecido nos hospitais públicos do Distrito Federal. Um questionário foi encaminhado aos dentistas dos hospitais públicos para ser respondido. Os resultados obtidos demonstram que, no início do tratamento, é utilizado o consentimento livre e esclarecido, de forma verbal, na maioria dos hospitais. Observam-se, ainda, equívocos na utilização e conceituação do consentimento livre e esclarecido. Os documentos misturam autorização do uso de imagem, com consentimento livre e esclarecido. Os documentos apresentam poucas informações e não esclarecem aspectos importantes do tratamento. Portanto, os cirurgiões-dentistas atuantes na rede pública hospitalar necessitam de um aprofundamento nos fundamentos bioéticos com o intuito de congregarem, ao princípio da beneficência, já consolidado e normatizado, o princípio da autonomia. Publicado em: Ciência & Saúde Coletiva, 12(6):1737-46, 2007.
Contato: bioetica@unb.br.
Baixar texto completo.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

ADOLyFA - Associación de Odontólogos Legistas y Forenses Argentinos

¿QUIENES SOMOS Y QUE HACEMOS?
A.D.O.L.y F.A. - Es una Asociación de formación y capacitación, que presta servicios odontológicos, abocada fundamentalmente a tres ramas del ejercicio profesional.
•Área jurídico-legal
•Gestión del riesgo sanitario
•Bioética
•Auditoria.

Consultoría, Peritajes y Asesoramiento Legal: con diferentes variables y de acuerdo a la necesidad de nuestros clientes Tales como:
•Cumplimiento de los requerimientos para ejercer la profesión (habilitaciones, certificaciones, legislación laboral,
•Consultas y peritajes en caso de demandas de mala praxis
•Auditorias compartidas
•Mediaciones
•Todo tipo de servicio relacionado con el ejercicio profesional.

Como sabemos la época contemporánea nos demanda el cumplimiento de normativas impuestas por los sistemas, que nos exigen para poder trabajar completar numerosas órdenes y planillas para presentar nuestra facturación, evitar los conflictos y demandas de mala praxis, con la consecuente demora que se produce para cobrar nuestras liquidaciones, y los riesgos que se presentan por la falta de tiempo que se origina al tener tanta cantidad de documentación para presentar. Nuestra propuesta radica en ayudarlos a aprender a realizar correctamente las historias clínicas y la facturación que debemos presentar para evitar débitos inadecuados. Muchas veces el personal que nos ayuda no es lo suficientemente idóneo para realizar esta tarea y recibimos demasiados débitos por no ajustarnos a las normas de facturación y liquidación de las prestaciones.
La presión permanente de las demandas por mala praxis, y el desconocimiento de los procedimientos que debemos realizar para evitar incurrir en faltas de diferente naturaleza, hacen que nos veamos expuestos a un riesgo permanente. Justamente el asesoramiento y capacitación que brinda ADOLyFA se basa en el aprendizaje de normas que disminuyan a un grado mínimo la posibilidad de ser demandados y/o en el caso de serlo tener los mecanismos necesarios para defendernos.Contamos con circuitos de capacitación y asesoramiento que nos permiten adaptarnos a las necesidades específicas de los requirientes.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Avaliação da qualidade do DNA extraído de saliva humana armazenada e sua aplicabilidade na identificação em Odontologia Legal


Resumo
Objetivo: Este trabalho objetivou avaliar a qualidade do DNA obtido de saliva humana armazenada e sua aplicabilidade da identificação de pessoas. Metodologia: Analisaram-se amostras salivares de n=20 sujeitos da pesquisa, coletadas nas formas de saliva in natura e de swab bucal, sendo armazenadas a 20ºC. Após 7 dias, o DNA foi extraído das 40 amostras de saliva e submetido à PCR e à eletroforese. Após 180 dias repetiu-se a técnica nas 20 amostras de swab. Resultados: Os resultados da primeira etapa indicaram que o DNA foi extraído com sucesso em 97,5% das reações, e, analisando-se separadamente, em 95% de saliva in natura e em 100% da saliva do swab, não havendo diferenças estatisticamente significantes entre as duas formas de saliva. Na segunda fase, o resultado foi positivo para as 20 amostras analisadas (100%). Posteriormente, para analisar a qualidade do DNA obtido da saliva humana, o gene SIX3-2 foi testado nas 20 amostras de swab bucal e foi feita a digestão do produto da PCR com a enzima de restrição MbO1 para avaliar polimorfismo do gene ADRA-2 obtendo-se resultados positivos para a maioria das amostras.  Conclusão: Concluiu-se que a quantidade e a qualidade do DNA advindo de saliva e as técnicas empregadas estão adequadas à análise forense do DNA. Publicado em: Revista Odonto Ciência. 2010;25(1):48-53.

sábado, 1 de maio de 2010

Importância pericial das radiografias da articulação do punho para a identificação humana

Resumo
Os autores relatam um caso pericial de identificação de corpo carbonizado utilizando radiografias pré e pós-cirúrgicas de uma fratura óssea na articulação do punho. Nessas radiografias foram evidenciadas particularidades da placa e parafusos utilizados na redução da fratura, coincidentes com os achados necroscópicos. Ressalta-se como imprescindível o arquivamento dos exames radiográficos, por poderem ser utilizados na resolução de questões legais. Artigo publicado em: Revista da Imagem 2007;29(4):165–167.
Baixar artigo completo.
Autor: rhonanfs@terra.com.br.

Compartilhe