Mensagem dos Autores

Motivados pelo desenvolvimento da Odontologia Legal no Brasil, os autores tiveram a iniciativa de agregar mais uma ferramenta de convergência da classe pericial odontológica com o intuito de divulgar notícias, eventos, trabalhos científicos, além de contribuir para a discussão e troca de experiências entre os praticantes da perícia odontolegal. Contamos com todos para tornarmos este Blog um centro de encontro e de crescimento profissional.







segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Manipulação de cadáveres gera riscos de contaminação

A manipulação de cadáveres nos institutos médicos legais brasileiros requer medidas urgentes de biossegurança, uma vez que a natureza da atividade oferece risco de contaminação aos profissionais de saúde e técnicos de necropsia. O alerta foi feito pelo odonto-legista Marcus Vinícius Ribeiro de Carvalho, depois de avaliar 50 cadáveres, para detectar a presença do vírus HIV, na cidade fluminense de Volta Redonda. Em 2,4% das amostras, ele constatou a presença do agente etiológico, mesmo passadas 24 horas da morte do indivíduo.
“Não é uma porcentagem alta do ponto de vista estatístico, mas aponta para o risco que os profissionais correm sem o uso de equipamentos de segurança no processo de necropsia. Aliás, este foi apenas um dos agentes etiológicos investigados, mas poderia listar uma série de doenças que oferecem mais riscos por serem mais resistentes, entre as quais a hepatite C e a tuberculose”, salienta Carvalho, que apresentou dissertação de mestrado na Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) e foi orientado pela professora Darcy de Oliveira Tosello.
O estudo realizado por Carvalho reafirmou dados da literatura mundial que indicam a pesquisa necroscópica como fator de risco de transmissão para a equipe envolvida na execução do ato investigatório. Alguns autores conseguiram detectar HIV e hepatite C até 30 horas depois da morte do indivíduo. Ele considera ainda que essas doenças podem se desenvolver de quatro a cinco semanas na pessoa infectada. Segundo o odonto-legista, o ideal seria que as salas de manipulação de cadáveres fossem equipadas à semelhança de um centro cirúrgico. Isto porque, na prática diária, os profissionais recorrem a determinados procedimentos que necessitam de cuidados especiais. Um exemplo seria a necessidade de detectar a presença de projétil de arma de fogo. Nestes casos, explica Carvalho, o profissional precisa manipular o cadáver em vários pontos para conseguir a sua localização exata....
Acesse a reportagem na íntegra:
http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/dezembro2009/ju450_pag08a.php#

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe